Na tarde desta sexta-feira, estudantes do Cesupa e de outras universidades paraenses, além da Universidade de São Paulo (USP), embarcaram para o Marajó com a missão de colaborar com a melhora da qualidade de vida de moradores de uma colônia de pescadores situada às margens do rio Canaticu, na cidade de Curralinho, levando na bagagem projetos de tecnologias de baixo-custo coordenados pelos alunos do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT).


O MIT  é um centro universitário de educação e pesquisa privado localizado em Cambridge, Massachusetts, nos Estados Unidos. É um dos líderes mundiais em ciência e tecnologia, bem como outros campos, como administração, economia, linguística, ciência política e filosofia.

O que fez o MIT se interessar pela região de Curralinho foi o desafio de realizar uma ação de impacto social em uma das regiões com menor IDH do Brasil, segundo medição de 2012 realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). São dois os projetos que serão implementados pelos estudantes em parceria com a comunidade local: a construção de um defumador de peixe e a capacitação da comunidade para criação e utilização de equipamentos que utilizam a energia solar para iluminação doméstica.

O MIT incentiva alunos a utilizarem o mês de janeiro como período de atividades independentes. Por essa razão, alguns laboratórios da universidade oferecem disciplinas que incluem viagens a diferentes países do mundo em regiões que precisam da tecnologia para melhorar a condição de vida das populações. 

Os estudantes estarão por uma semana convivendo com jovens de diversas nacionalidades, entre as quais, Coreia do Norte, Taiwan, Estados Unidos, que participam do D-Lab, um laboratório do MIT, criado há 10 anos.

A ideia que norteia o D-Lab é que paralelo a busca pelo progresso na pesquisa e no desenvolvimento de projetos tecnológicos em comunidades carentes, os alunos entendam os reais interesses da comunidade local por meio de pesquisa para mapear realidade energética, índices de sustentabilidade e níveis de pobreza.

© 2019 Funadesp. Todos direitos reservados.

Desenvolvido por AtomTech