Publicado: Terça, 03 Fevereiro 2015 10:24
  Fonte: Portal Universia

 

Fonte: Shutterstock

Como a sala de aula está se tornando cada vez mais um ambiente digital, os professores têm urgência em se adaptar a essa realidade.

Concebido há séculos, o modelo de sala de aula tradicional continua sendo adotado pela maioria das instituições de ensino até hoje. Composto por alunos dispostos em fileiras, ouvindo em silêncio aquilo que o professor propõe, esse estilo de aulas está, aos poucos, sendo substituído com a ajuda da tecnologia.

 

Pensando nisso, a Universia Brasil preparou uma lista com alguns elementos clássicos da sala de aula que provavelmente não estarão mais em uso no ano 2020. Se você quer saber mais sobre as antigas e as novas tendências, confira:

Carteiras enfileiradas

O arranjo comum de carteiras enfileiradas cairá em desuso muito em breve. O motivo é simples: o ensino do futuro propõe o empoderamento do estudante, aumentando, portanto, a sua participação. Uma sala de aula em que os alunos devam permanecer em fila, sem contato entre si, ouvindo em silêncio o que o professor tem a dizer não terá mais espaço.

Desktops

O uso de smartphones e tablets na educação está cada vez maior, o que beneficia os estudantes na medida em que o aprendizado pode se tornar pessoal, direcionado e móvel. Com a facilidade de se conectar a aplicativos de estudo em qualquer lugar, esses aparelhos provavelmente irão substituir os antigos computadores.

Professores que não lidem com tecnologia

Como a sala de aula está se tornando cada vez mais um ambiente digital, os professores têm urgência em se adaptar a essa realidade, principalmente no que diz respeito ao aprendizado personalizado. Dentro de alguns anos, a maioria dos professores será altamente adaptado à tecnologia e utilizará largamente seus recursos para explicar as matérias.

Proibição em relação à Wikipedia

Ainda hoje muitos professores têm restrições quanto ao uso da Wikipedia e não a consideram uma fonte confiável. Essa resistência provavelmente irá diminuir nos últimos anos. Embora seja possível que os mestres continuem a rejeitá-la como fonte única de pesquisa, ela passará a ser mais aceita como ponto de partida, especialmente pela possibilidade da inclusão de referências em seus artigos.

Uso excessivo de papel

Livros, cadernos, revistas... Todos esses materiais estão se encaminhando para o mundo virtual passo a passo, o que vai diminuir muito a demanda por itens impressos. Cada vez mais, os trabalhos serão entregues digitalmente o que tornará rara a cena de filas para impressão e xerox.

Instituições centralizadas

As escolas deixarão de ser vistas como os lugares restritos ao aprendizado, pois com o uso dos dispositivos móveis, qualquer espaço pode ser propício para aprender. Dessa forma, as novas escolas terão a tendência de ser espaços menores, com turmas mais reduzidas para facilitar o aprendizado personalizado.

Notas

Com o ensino cada vez mais direcionado, ficará difícil categorizar alunos pela mesma base, o que pode acabar com o sistema de notas, bem como os testes padronizados e vestibulares – que seriam substituídos por currículos digitais. A tendência é que as avaliações, assim como o aprendizado, sejam personalizadas.

Relacionamento entre família e escola

Especialmente no caso das escolas de ensino fundamental, em que a presença dos pais é maior, as famosas reuniões de pais e mestres tendem a ser menos frequentes e importante. Isso acontece porque, com a facilidade de comunicação, pais e professores podem estar em contato a qualquer momento.

© 2019 Funadesp. Todos direitos reservados.

Desenvolvido por AtomTech